NikkeyBrasil - O site do japonês no Brasil
27/4/2017. Bem-vindo ao NikkeyBrasil. Hoje, com 8270 cadastrados - 28.504.928 visitas
Empresa ou produto:



HOME            
Governo suspende licitação do trem-bala

governo federal se reuniu ontem com representantes das cinco empresas interessadas na obra do trem de alta velocidade (TAV) que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro e decidiu adiar para 11 de abril de 2011 o processo de licita-ção que estava previsto para ocorrer na próxima segunda-feira.

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio de Oliveira Passos, já havia conversado, no início da semana, com o presidente Lula sobre o assunto e saiu do encontro admitindo possíveis mudança nos prazos do leilão.

O Ministério Público Federal também já tinha solicitado, na última quinta-feira, a suspensão do leilão devido a falhas no projeto. De acordo com o órgão, existem erros no estudo técnico da obra e no edital de concessão. Entre elas, uma estimativa de custos de implantação imprecisa, já que o edital omite, por exemplo, o custo de ener-gia do trem. Há três anos, o custo total da obra era de R$ 17 bilhões. Agora, o valor subiu para R$ 34 bi-lhões. Outro problema apontado seria a falta de detalhes nos projetos de engenharia. Isso poderia cau-sar prejuízos aos cofres públicos. 

Segundo informações, as empresas interessadas também teriam forçado o adiamento, já que ainda estão inseguras em relação aos riscos do projeto. As chances de apenas um consórcio ou mesmo nenhum apresentar a proposta também pesou na decisão. Acuado, o governo resolveu ceder aos pedidos dos empresários do setor ferroviário.

Nos últimos dias, diver-sas notícias mostraram um risco iminente de a licitação ser esvaziada às vésperas da abertura dos envelopes. Informações não oficiais davam conta da desistência da empresa espanhola CAF, assim como a alemã Siemens, além do grupo de trabalho chinês, que inclusive entregaria uma carta para a Agência Nacional de Transportes Terrestres que registraria a não participação do grupo na licitação devido "a concorrência possuir condições difíceis de serem aceitas e o risco ser extremamente alto, além da falta de informações no edital sobre o volume de tráfego".

A imprensa nipônica também já havia divulgado a saída dos japoneses. O consórcio formado por quatro companhias teria decidido não fazer uma pro-posta, concluindo que seria incapaz de atender às condições do governo brasileiro.

Ainda segundo as informações, o consórcio japonês, que se prepara para apresentar uma proposta desde o início deste ano, chegou à conclusão de que não há um mecanismo adequado para reduzir riscos como atrasos na construção e potenciais prejuízos com a operação da linha de trem, pois o governo brasileiro deve solicitar ao vencedor da licitação uma operação da linha por 40 anos, mesmo com as incertas perspectivas de negócios do sistema.

Todos os Direitos Reservados. Copyright ® ABRAON
pagina gerada em 0.1905 segundos.